CONCLUSÕES / RECOMENDAÇÕES

 

 

Na sessão de encerramento do VIII Congresso Internacional dos Médicos em Angola foram lidas e aprovadas as seguintes conclusões e recomendações:

a. Os Congressistas assumiram:

i. A importância e o alcance das linhas orientadoras em matéria de saúde traçadas por Sua Excelência o Senhor Vice-Presidente da República, Eng. Manuel Domingos Vicente, que nortearão a sua actividade.

ii. Como grande prioridade prosseguir, no que lhes cabe no âmbito da Saúde no nosso País, o combate permanente contra a pobreza, de forma a poder multiplicar as intervenções específicas de combate às doenças mais mortais e mais incapacitantes, bem como reforçar os sistemas de prestação de cuidados de saúde às populações, especialmente às mais pobres.

b. Na Conferência “A Saúde em Angola: o Presente e o Futuro”, Sua Excelência o Senhor Ministro da Saúde relatou os progressos registados no sector e apontou os caminhos previstos no Plano Nacional de Desenvolvimento Sanitário 2012-2025.

Em particular, referiu que o sector vai continuar a trabalhar com o MINFIN e o MAPESS para a integração de novos quadros no sector público. Recomendou o investimento em especializações médicas que possam assegurar o alcance dos objectivos e o desenvolvimento de trabalhos de investigação de forma a transformar os seus resultados num património colectivo. Recomendou ainda a necessidade de se criarem instrumentos que garantam a monitorização das acções.

Nas outras conferências, painéis e temas livres, concluiu-se:

· No tema “Perspectivas da Medicina – o fio condutor para uma visão integrada”, a apresentação sobre o estado da arte à luz da bioética relembrou-se que embora a tecnologia esteja cada vez mais evoluída e ao serviço dos profissionais de saúde, esta não deve distanciar a relação médico-paciente.

· A apresentação sobre o contributo efectivo da investigação para o desenvolvimento da saúde concluiu que a investigação em saúde gera conhecimento para intervenções efectivas e eficientes, tem consequências económicas e sociais robustas, elevado retorno – de longo termo para dispositivos médicos e testes para diagnóstico e de muito longo termo para medicamentos, ou agentes preventivos.

·  No que se refere à adequação da educação médica à constante evolução das ciências e tecnologias da saúde, concluiu-se pela necessidade de adoptar um currículo baseado em competências, promover a educação interprofissional e de equipa.

·  No tópico relativo às tendências contemporâneas, foi evidenciada a orientação de se trabalhar interdisciplinarmente.

·  A informatização e automatização dos Serviços de Sangue e de Medicina Transfusional condicionam aumentos dos níveis de segurança e de eficácia. A informatização deve ser abordada de um modo holístico em relação à cadeia transfusional. A informatização dever ser entendida como um processo estruturante em relação às actividades desenvolvidas tanto directa como indirectamente.

·  A globalização tem impactes profundos e complexos na própria natureza da nossa sociedade, criando novas oportunidades mas, igualmente, novos riscos. É necessário que, na avaliação dos impactes, designadamente da globalização, a saúde seja sempre considerada

·  A melhoria contínua da qualidade e a gestão do risco devem fazer parte da cultura dos serviços de urgência.

·  A certificação da qualidade pelo normativo internacional ISO 9001 nos serviços de saúde garante o funcionamento dos serviços, equipamentos e informação e reforça a qualificação e valorização dos profissionais da saúde através da adopção de boas práticas – saber o que faz e como faz.

·  Cirurgia cardiovascular – Constata-se que nos últimos anos Angola iniciou um processo de intervenções cirúrgicas cardíacas em crianças e adultos, na Clínica Girassol e no HJM com resultados positivos. Concluiu-se que se deve incrementar a autonomia dos quadros angolanos já existentes, intensificar a formação de quadros tanto dentro como fora do País e adequar infra-estruturas.

·  A formação médica de especialistas deve ir ao encontro das necessidades e objectivos estabelecidos pelo Executivo.

·  Relativamente a “Alguns Polimorfismos Eritrocitários e das Espécies de Plasmodium”, os resultados da investigação apresentada reconfirmam a presença de P. ovale, em Angola, a presença de infecções mistas (duplas e triplas) e relata, pela primeira vez, em Angola, a infecção por P. vivax em indivíduos Duffy-negativos. Contudo, novos estudos mais aprofundados com uma amostra de maior dimensão deverão ser realizados.

·  Foi apresentada uma proposta para criação de um Centro de Pós Graduação em Pediatria para a formação de profissionais nesta especialidade e reforçar o papel dos cuidados primários de saúde (com ênfase no AIDI).

·  Um programa de transplantação renal representa um enorme desafio e uma enorme responsabilidade. O seu sucesso assenta numa estrutura organizada e eficaz regida pelos mais rigorosos padrões éticos e deontológicos e com robusto suporte legislativo.

·  Quanto às perspectivas de VIH e Sida propõe-se: redefinir estratégias direccionadas aos grupos alvos de intervenção já identificados; advogar um maior envolvimento das instituições públicas e privadas; reforçar as acções direccionadas ao grupo de populações dos15 aos 24 anos e o desenvolvimento de acções para aumento da qualidade dos serviços, adesão ao aconselhamento e testagem voluntária, prevenção da transmissão vertical e a terapia antiretroviral.

·  Na área da dermatologia, concluiu-se que tem havido avanços positivos. Contudo, há necessidade de se criar serviços especializados a nível regional e provincial, formar mais e melhores especialistas, desenvolver as subespecialidades, utilizar as novas tecnologias, promover a investigação científica e reforçar a estrutura e o papel do Colégio angolano de Dermatologia e Venereologia.

·  As recomendações relativas à saúde da criança apontam para a necessidade da vigilância nutricional, vacinas, tratamento das doenças endémicas e correntes, e uma acção ao nível das determinantes da saúde – água potável, saneamento e alojamento.

·  As recomendações relativas à saúde da mulher sublinham que a situação da saúde reprodutiva da mulher não é muito diferente da dos restantes países africanos. Os indicadores são ainda preocupantes, mas assiste-se a esforços adequados para a aproximação aos objectivos do milénio. A estratégia de revitalização do sistema municipal é a chave principal para uma assistência materna de qualidade.

·  A educação e prevenção a três níveis são fundamentais na abordagem da Diabetes. Recomendação:

·  uniformizar em todo o país as normas de diagnóstico, de tratamento e seguimento da doença, capacitar enfermeiros e quadros médicos, nomeadamente endocrinologistas.

·  No domínio da saúde mental, as perturbações psiquiátricas e os problemas de saúde mental constituem actualmente a principal causa de incapacidade e uma das mais importantes causas de morbilidade nas sociedades contemporâneas. Entre outras recomendações:

·  implementar políticas e estratégias efectivas que vão ao encontro das necessidades específicas de cada país; educar a população desde o ensino primário, conciliando a ciência e a cultura.

·  Para alcançar um alto desempenho do sector da saúde foi proposto a revisão do modelo de financiamento, a concepção, ampliação e reabilitação da rede de prestação de cuidados.

·  No quadro da organização do Serviço de Oncologia, foram propostos protocolos terapêuticos com guidelines internacionais, a formação de uma comissão de coordenação oncológica e dispor de uma equipe disciplinar para planear a terapia.

·  Na neurocirurgia perspectivou-se um programa neuro-endoscópio para a hidrocefalia.

·  Delinear e implementar uma estratégia de intervenção educativa em matéria de socorrismo.

·  A reabilitação em Angola recomenda ter serviços disponíveis de internamento, ambulatório e oficinas orto-protésicas.

·  A promoção de hábitos alimentares saudáveis, um serviço de nutrição comunitário, em estreita ligação com o serviço de nutrição hospitalar capaz de atender situações críticas de mal nutrição, desnutrição e subnutrição.

·  Aumento da cobertura do pré-natal no país para prevenção e tratamento da Malária congénita.

·  Criação de protocolos específicos para indicação da realização de Endoscopias Digestivas Altas tendo em conta que o excesso de uso deste meio diagnóstico não encontra correlação entre as indicações e os achados endoscópicos.